Desenvolvida num consórcio que é liderado pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), no Porto, a aplicação pretende, “através de mensagens personalizadas e de competição entre pares”, estimular pequenas alterações nos hábitos diários dos utilizadores para uma utilização mais eficiente da energia, explicou à Lusa o responsável pelo projeto, Filipe Joel Soares.

Inicialmente, a aplicação recolhe dados dos hábitos diários dos utilizadores para criar um padrão comportamental e, com base nisso, define estratégias personalizadas. Enquanto algumas pessoas são estimuladas pela competição, outras são-no “pela poupança ou pelo impacto que podem ter no meio ambiente”, esclareceu o investigador.

“As mensagens só fazem sentido se os utilizadores a receberem na hora exata em que vão fazer algo, indicando-lhes que o podem fazer de uma maneira mais eficiente”, sendo a grande novidade da app a possibilidade de previsão das ações dos utilizadores.

Por exemplo, quando o utilizador vai almoçar, recebe antes uma mensagem a dizer “daqui a pouco está na hora de almoço, quando saíres desliga o monitor e apaga as luzes”.

O projeto de três anos vai estar concluído até outubro de 2020, mas uma versão inicial da aplicação estará disponível até ao final deste ano para telemóveis e computadores.

A app vai incluir jogos e questionários relacionados com tomadas de decisão no dia a dia e com comportamentos energeticamente eficientes, assim como terá uma parte mais informativa com vídeos relacionados com a temática.

Financiado pela Comissão Europeia e com um orçamento a alcançar os 2,3 milhões de euros, o FEEdBACk conta com a participação de investigadores de sete países.