Páscoa em Portugal: “Estamos cheios”

42

Do Norte ao Sul e Ilhas, a resposta é a mesma nos locais mais disputados (e até nos menos): estamos cheios. A hotelaria já tinha antecipado uma boa taxa de ocupação para os dias de Páscoa e as reservas confirmam-no. Ponta Delgada, Albufeira, Porto e Lisboa são os locais mais procurados pelos portugueses para as férias de Páscoa, segundo a plataforma Trivago.

Algarve: “As perspetivas apontam para uma subida da procura relativamente ao ano passado na ordem dos 5% ou 6%”

O Algarve estará no período de Páscoa com uma ocupação hoteleira acima dos 80%, havendo mesmo unidades hoteleiras que poderão ficar com a capacidade lotada, disseram à Lusa responsáveis do setor do turismo na região. “As perspetivas apontam para uma subida da procura relativamente ao ano passado na ordem dos 5% ou 6%”, estimou o presidente da maior associação hoteleira da região, Elidérico Viegas, sublinhando que alguns hotéis atingirão 100% de ocupação, sobretudo os mais vocacionados para o mercado interno.

Os portugueses e os espanhóis são quem continua a procurar mais a região durante a Páscoa, que este ano coincide com a época média do turismo, o que significa que os preços praticados já são mais elevados, permitindo melhores resultados para as empresas, sublinhou o presidente da Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA).

De acordo com Elidérico Viegas, o facto de haver férias escolares nesta época permite também estadias mais prolongadas do que nos feriados em que há tolerância de ponto, como aconteceu no Carnaval. A procura tem sido transversal a toda a região, embora as zonas mais atrativas para os turistas continuem a ser Albufeira, Portimão e Vilamoura.

Ainda assim, as zonas de Tavira e de Lagos também têm sido alvo de muita procura e, por terem menos hotéis, têm também condições mais favoráveis para uma ocupação maior, atingindo mais facilmente taxas elevadas de ocupação.

Madeira: O valor mais alto dos últimos seis anos

A taxa de ocupação hoteleira na Madeira durante o período da Páscoa, que decorre até 16 de abril, deverá situar-se nos 86,4%, o valor mais alto dos últimos seis anos, representando um aumento de 10 pontos percentuais relativamente a 2016.

Dados fornecidos pela Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura indicam que na quinta e na sexta-feira santas (13 e 14 de abril) a ocupação hoteleira poderá mesmo atingir os 88%.

Os estabelecimentos mais procurados são os hotéis e hotéis-apartamento de cinco estrelas, com uma previsão de ocupação de 91,2%, bem como as estalagens e as quintas da Madeira de cinco e quatro estrelas, com ocupações previstas de 85%. Nestes dois casos, o crescimento é na ordem dos 10 pontos percentuais comparativamente a 2016.

Os indicadores oficiais referem que o concelho do Funchal registará a maior taxa de ocupação: 89,3% (mais seis pontos percentuais face a 2016), ao passo que a ocupação no resto da ilha se situará nos 84,8% (mais 16 pontos percentuais do que em 2016).

Nos últimos seis anos, a taxa média de ocupação hoteleira registada na região autónoma no período da Páscoa nunca ultrapassou o patamar dos 80%, tendo sido de 79,1% em 2011 e de 77,6% em 2016.

Aldeias do Xisto: “praticamente lotadas”

As Aldeias do Xisto registaram forte procura para os dias da Páscoa com as unidades de alojamento a estarem praticamente lotadas, disse à agência Lusa o coordenador do projeto, Rui Simão. “Da informação que temos recolhido junto dos parceiros, está a haver uma forte procura e maioria dos alojamentos já está praticamente lotada nos dias da Páscoa, sendo que para os restantes fins de semana do mês de abril as reservas estão acima dos dois terços da capacidade”, referiu.

Com cerca de 90 unidades de alojamento de diferentes categorias, 600 quartos e mais de mil camas, as Aldeias de Xisto têm neste mês uma das épocas altas do ano, afirmando-se como um destino de excelência que une tradições, religiosidade e natureza.

“São locais que apresentam múltiplas razões para serem visitados e que congregam na perfeição a ideia renovação espiritual expressa nas tradições do calendário religioso com a renovação da paisagem, que por esta altura se reveste de uma exuberância ímpar e imperdível”, salientou Rui Simão.

A Rede das Aldeias do Xisto é um projeto de desenvolvimento sustentável, de âmbito regional, liderado pela ADXTUR – Agência para o Desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto em parceria com 21 municípios da região Centro e com mais de 100 operadores privados.

Açores: “um dos melhores” meses de abril de sempre

O delegado nos Açores da Associação de Hotelaria de Portugal (AHP) afirmou que os hotéis na região estão com uma taxa de ocupação a rondar os 100%, esperando-se “um dos melhores” meses de abril de sempre. “Os dados do mês de abril são bastantes positivos e podemos afirmar que será um dos melhores meses de sempre no turismo dos Açores”, declarou Fernando Neves.

O empresário de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, salvaguardou que, apesar de a oferta de quartos nos Açores estar a aumentar, através do surgimento de novas unidades hoteleiras, todos os hotéis estão com uma ocupação superior à Páscoa de 2016. A procura “cresceu bastante” em relação aos anos anteriores e “as expectativas dos clientes sobre os Açores estão a aumentar”.

Fernando Neves referiu que são agregados familiares os que procuram o arquipélago pela Páscoa, sendo o continente o principal mercado emissor de turistas para os Açores. “Os alemães também estão em crescimento, havendo nesta altura bastante procura por grupos alemães”, declarou.

Segundo a plataforma Trivago, Ponta Delgada está entre os dez destinos mais procurados pelos nacionais para férias de Páscoa, sendo Londres a cidade mais procurada, a par de Albufeira, Porto, Madrid, Amesterdão, Paris, Roma, Lisboa e Barcelona.

Porto e Norte: É esperada casa cheia na Páscoa

A taxa de ocupação nos hotéis do Norte para a próxima semana da Páscoa está “quase nos 100%”, informava oTurismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) já a 6 de abril. Os últimos dados da taxa de ocupação para a época pascal de 2017 fornecidos à Lusa pela TPNP indicavam que os hotéis de gama alta do Porto e do Norte de Portugal estavam “quase esgotados”, registando-se também um aumento de estada média de três para quatro dias, com os hóspedes a optarem por sair na segunda-feira de Páscoa, em vez de no domingo de Páscoa.

“É esperada casa cheia na Páscoa. O destino mantém boas perspetivas hoteleiras para a quadra pascal, verificando-se já nalguns espaços a ocupação atingir os 100%. Temos conseguido consolidar e até aumentar a procura na Semana Santa e temos indicadores que nos mostram que o Porto e Norte é também cada vez mais destino de férias de Páscoa”, declarou o presidente da TPNP, Melchior Moreira.

Hotéis considerados de gama alta ou de luxo como o Crown Plaza, Sheraton, Pestana, Carris, ou Pousada do Freixo, no Porto, e o Yeatman, em Vila Nova de Gaia, estavam desde então quase lotados.

Em Guimarães, os hotéis mais luxuosos como o Guimarães Hotel da Oliveira, Stay Hotel Vila Guimarães Centro, Hotel Fundador ou a Pousada de Guimarães Santa Marinha registavam taxas de ocupação entre 80% e as 100%.

O Turismo do Porto e Norte de Portugal fechou o ano de 2016 com um crescimento de dormidas na ordem dos 10,70% em relação a 2015, alcançando 6,8 milhões, valores próximos dos objetivos traçados para 2020.

 /JL

Comentários estão fechados.