António Costa será o primeiro chefe de Governo português na Índia

0
19

O primeiro-ministro, António Costa, vai protagonizar, entre sexta e a próxima quinta-feira, uma inédita visita oficial de um chefe de executivo português à Índia, após um convite do seu homólogo Narendra Modi, confirmou à Lusa fonte governamental.

Outro primeiro-ministro socialista, José Sócrates, visitou a Índia em 2007, mas exercia formalmente a presidência portuguesa da União Europeia, numa cimeira entre os Estados-membros e aquele país asiático.

O socialista António Costa e restante comitiva vão passar por Nova Deli e as regiões de Karnataka, Gujarat e Goa, antiga colónia portuguesa de onde a família do seu pai, o publicitário e escritor comunista Orlando Costa, era originária.

O pai do secretário-geral do PS nasceu já em Maputo (então Lourenço Marques, Moçambique, em 02 de julho de 1929), tendo migrado depois para Lisboa. Na capital portuguesa, Orlando Costa casou com a jornalista Maria Antónia, união da qual nasceu o primeiro-ministro, além de uma filha, mas viriam a divorciar-se em 1962.

O militante do PCP e um dos autores portugueses com mais obras censuradas pelo antigo regime de Salazar, morreu em 05 de janeiro de 2006, já depois de receber de Jorge Sampaio a distinção de comendador da Ordem da Liberdade.

Os antigos primeiros-ministros Mário Soares e Cavaco Silva também viajaram oficialmente até àquele país, mas enquanto Presidentes da República, respetivamente em janeiro/fevereiro de 1992 e em janeiro de 2007.

Por coincidência, outro antigo chefe de Estado, Ramalho Eanes, também esteve na Índia, mas ainda enquanto militar, numa das suas comissões de serviço, entre 1958 e 1960.

A denominada “Índia Portuguesa”, ao longo da costa daquele país e incluindo os arquipélagos das Maldivas e do Ceilão (Sri Lanca), foi fundada em 1505 e pertenceu a Portugal até 1961, com diversas configurações geográficas ao longo de quatro séculos, até à independência daquele subcontinente, iniciada em 1947.

Apesar da tomada pelo exército indiano dos diversos territórios sob jurisdição portuguesa até então – Goa, Damão e Diu -, Portugal só reconheceu oficialmente aquele país em 1975, após o a revolução do 25 de Abril e fim do regime autoritário do Estado Novo.

 

sapo24